Blog Pessoal

As suas campanhas de email têm 65% de aberturas únicas?

Sim, não é lapso. É mesmo um cliente nosso que teve 65% de aberturas! E não é totais, são únicas! Além disso, não se trata de um pico, mas sim de uma média ao longo de vários envios.

Impressionante! Como é que se consegue?

A chave está sempre no interesse que o conteúdo desperta em quem recebe o email (ou seja, a reatividade, também denominada “engagement”). Temos centenas de clientes com médias de 50-60% de aberturas únicas, mas são sobretudo grandes marcas ou blogueiros com legiões de fãs granjeados ao longo de anos. O que é interessante neste caso em particular é a rapidez e técnica com que um dos nossos clientes chegou a este nível de reatividade.

Quem é ele?

Se chama Caio Henrique Teodoro e é o responsável pelo site PromoB. O Caio é especialista em arquitetura 3D e decidiu montar uma série de cursos práticos gratuitos para ajudar quem tem interesse nesta área. O site é simplicíssimo: a pessoa escolhe o curso, cadastra-se (com um formulário E-goi integrado num plugin do WordPress) e recebe uma sequência de emails com as diferentes aulas, bem como algumas dicas do Caio.

Até aqui, tudo normal. É uma série de autoresponders. E como quem se cadastra terá interesse no curso (a inscrição é double opt-in), as taxas de abertura iniciais serão sempre boas, mas o Caio queria que esse interesse fosse aumentando ao longo do curso (pois a tendência normal é reduzir). E é aqui que entra o passe de mágica.

Qual foi a técnica que ele usou?

Ao contrário da maioria das pessoas, que monta o autoresponder e a sequência de emails uma vez e raramente faz alterações, o Caio observou diariamente os resultados de cada uma e experimentou inúmeros títulos, combinações e sequências diferentes para ver qual resultava melhor. Após 6 meses de testes e mais de 15.000 emails enviados, esta é a conclusão:

1) Títulos de email mais eficazes (acima de 60% de aberturas únicas):

– Preciso te pedir desculpas
– Má notícia
– Fui enganado
– Comunicado importante
– Você conhece essa técnica?

2) N.º de emails que as pessoas costumam receber na sequência até se obter esta eficácia: 5

3) Taxa de cliques únicos necessária para complementar as aberturas: 60% ou mais (no caso do Caio, os cliques foram em média de 72%, o que demonstra que as pessoas reagiram muito bem ao conteúdo dos emails)

Mais alguma dica?

Sim. Segundo o Caio, outra técnica muito proveitosa é enviar um email com excelente conteúdo e alto valor logo de manhã e no dia seguinte enviá-lo novamente, mas apenas para quem não abriu esse email no dia anterior. No 3.º dia, faz-se o mesmo mas apenas para quem não abriu no 2.º dia, e assim sucessivamente durante uma semana. Esse email reenviado deve ter um título ligeiramente diferente (por exemplo, prefixado por “RE” ou “Fwd”) e um texto no início que pergunta se a pessoa teve oportunidade de ler o email. Desta forma, funciona como um lembrete pessoal, especialmente útil para assegurar que as pessoas que recebem muitas mensagens diárias não se esquecem da sua. O E-goi pode criar este lembrete automaticamente.

E quais foram os títulos de email menos eficazes?

Estes: “Oi segue uma dica quente”, “Aula imperdível com grande guru”, “Inacreditável promoção relâmpago” e “Como usar o programa X”. Tiveram aberturas abaixo dos 30%.

Hmm, todos esses títulos (incluindo os mais eficazes) parecem um pouco “charlatões”. Não é arriscado usá-los?

Qualquer título muito arrojado e informal é arriscado. Por isso, é fundamental que o conteúdo do email dê o seguimento adequado ao título e não defraude as expectativas. Se seu email diz “Preciso te pedir desculpas” é bom que exista um excelente motivo para esse pedido. Quanto mais franqueza demonstrar perante a sua audiência, melhor a reatividade. Se não fizer isso, acontecem catástrofes como esta.

Qual é então a lição a reter?

Nunca descure os testes! Crie ciclos de venda ligeiramente diferentes (título, conteúdo, sequência), use segmentos e tags para fragmentar a sua lista de cadastrados em grupos pequenos (50 pessoas) e teste cada ciclo com um grupo separado, comparando as diferenças. Pode fazer isso manualmente ou com os nossos
split-tests automáticos
.

E mesmo depois de chegar aos 65% de aberturas (parabéns! :), continue acompanhado diariamente os resultados e veja os pontos que podem ser otimizados. Lembre-se, há sempre forma de melhorar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *